nocturne (a duas mãos).

quinta-feira, outubro 16, 2008

A minha primeira e única tentativa de escrita colaborativa até hoje :)

sob o espectro invisível do falso silêncio da noite, procuro, antes de mim, a vida e momentos de doce enleio. procuro estradas em que possas existir para lá do âmago da carne e em que eu te sinta como minha solene fuga à escuridão do ser e ter de ser. pensei que a luz era sombra viva no teu corpo que demora, que me afoga, e o teu afago carícia, doce e decidida, que pressinto ou imagino, anseio como nenhuma verdade em fúria sobre mim. e recuso com amor, com temor de ser infinitamente imperfeito. sendo feito para ser incompleto. não durar mais do que o tempo em que me esqueço e me invento e me finjo uno e pleno junto a ti.

(15 de Março de 2005, com Daniel Camacho)

1 comentários:

Anónimo disse...

tenho a boca a fechar palavras. antes que veham tarde descobrir caminhos.

um abraço. às duas mãos.

João
osdiasdasnoites.