same time. same place.

sexta-feira, novembro 21, 2008

passavam a hora de almoço assim, sentadas naqueles degraus. já todos os amigos sabiam onde encontrá-las. 5 dias por semana. same time, same place.
preferiam mordiscar maçãs a ir almoçar com os outros. para melhor observarem as pessoas. alimentavam-se das histórias alheias, do que supunham adivinhar num olhar, num gesto.
e aquele? combinou com os amigos. mas tem medo que eles não esperem, é sempre o primeiro a chegar. por isso caminha assim, como se receasse que tudo, incluindo os passos que dá, lhe fujam. aquela loira de azul, ali no meio do grupo, tem um fraquinho pelo rapaz de vermelho. mas se o de castanho a abraça... sim, mas repara que quando o de vermelho fala, o olhar dela parece corar e desvia-se para as mãos dele...
levavam sempre um livro na mochila. abriam-no solenemente, após a primeira trincadela na maçã. duas páginas (ou dois parágrafos depois) uma dizia algo e os olhos da outra fugiam das palavras. pousavam os livros no colo. semi-abertos, com um dedo a marcar a página. até este ser preciso para dar ênfase a qualquer palavra mais sentida.
eram tratados filosóficos em movimento. o tempo? é um ovo. definitivamente. o verão e o inverno as suas curvas mais largas, as noites demoram-se mais. das de verão não queremos ver o fim. no inverno, elas não se querem finalizar. nos pólos, as folhas do outono caem rápido de mais para as apanhar. e as flores desaparecem em frutos quando ainda não nos tínhamos habituado a elas.
sofriam frequentemente de coincidências de pensamento. quando uma dizia mata, a outra já tinha começado a esfolar. os segredos de uma eram os segredos das duas. aliás, não havia segredo que se escondesse por muito tempo aos olhos da outra.
nunca foram assim tão parecidas. os amigos (os mesmo, mesmo amigos) conheciam-nas bem. mas todos os outros as confundiam. como se de passarem tanto tempo juntas se tivessem tornado numa unidade. com dois nomes.
à custa disso ficaram irmãs. para a vida.

2 comentários:

aoutrarua@gmail.com disse...

Quam não tem irmãos, vive assim... A encontrá-los numas escadas à hora de almoço ;-)

mirianne disse...

é tão lindo o que vai escrevendo.

esses dias, vi uma frase e lembrei-me dela enquanto lia seu texto. dizia que ter um amigo é ter uma segunda existência. talvez como um tempo e um lugar compartilhados... infinitamente. bem ali, bem aqui.

tenho pensado sobre isso. porque me tem faltado compartilhar. 8-|

um bjo.