espera.dor.

sexta-feira, janeiro 16, 2009



olhas através da vida como através de uma janela. contentas-te em ser espectador porque o papel de actor te parece trabalhoso demais. e traz consigo demasiados riscos. conformaste-te com tudo. o leite meio frio do pequeno-almoço quando não o tinham deixado ferver e demoravas a levantar-te; a meia amizade do João quando tinhas 14 anos e ele disse à Luísa que gostava dela, depois de tu lhe teres confessado que só conseguias ver os seus olhos ao adormecer, ao acordar; o abraço morno da tua namorada, não demasiado gélido para te congelar, mas quente de menos para te aquecer. no fundo, no fundo ainda sonhas vir a ser aquilo de que mais gostavas de te disfarçar no carnaval quando pequeno: super-homem. uma vida apagada. e, num rodopiar mágico, o homem mais forte do mundo. na verdade, na verdade sabes que nunca irás encontrar a tua cabine telefónica para mudar de pele.

4 comentários:

MS disse...

como conheço alguém assim, para quer tudo como eu, não são boa companhia de viajem ...

M disse...

viver pela metade... é viver? ou sobreviver?
(adorei o texto...)

acoldzero disse...

eu já me dava contente por encontrar a minha pele primeiro. a cabine vinha depois.

Marta Luis disse...

também conheço alguém assim

aqui escreves claramente do meu amor

aquele por que espero

na mesma dor

bj

malu