a continuação.

quarta-feira, setembro 02, 2009

vês como o tempo passa. ainda ontem era setembro, aquele vento leve que começa a tingir as folhas de vermelho anunciava-se. ainda se sentia o calor do verão e aqui o verão consegue ser mesmo sufocante enquanto que na minha rua sopra de vez em quando o cheiro a mar. ainda ontem era setembro quando pegaste na minha mão e não a querias largar. a minha ainda estava quente mas a tua escaldava. cada lágrima que caía quase se evaporava antes de tocar nela. eu lembro-me. não falei contigo mas senti cada palavra que me disseste em surdina. o teu ritmo cardíaco como código morse. eu lembro-me. quis dizer-te que sim, que também te amava como da primeira vez que te vi. que serias sempre a menina que dormia junto a mim nas noites de verão. lembras-te delas? eu lembro-me. vês como passa o tempo. ainda ontem era verão, ainda ontem era setembro e o setembro já voltou. se fechar os olhos sinto os raios do verão decrescente e o vento a dançar em redor deles. se fechar os olhos sinto a tua mão outra vez na minha, as tuas lágrimas a caírem em cima delas. se fechar os olhos, volto a querer tentar dizer-te, sem conseguir, que nunca te deixarei. estarei sempre contigo. sempre. fecha os olhos. consegues ouvir[-me] o vento?

[nunca vou deixar de ouvir]

2 comentários:

diana disse...

Há coisas e Setembros que nem o tempo apaga. E será sempre assim enquanto o tempo correr, enquanto o vento continuar a fazer-se ouvir.

Brida disse...

nem nunca apagará...
beijinho, di :)